Antecipação da inovação

E, já que fomos nós os escolhidos para a vocação da tecnologia, temos a obrigação de fazer da inquietude a nossa parceira primeira, a fim de entregar o melhor a cada dia, para o bem da humanidade

Publicado em

Acredita-se que estejamos vivendo os piores dias das nossas vidas, pelo Coronavírus, que poderá ser a maior tragédia da terra em todos os tempos. Os estudantes estão todos em casa, mundo afora. O comércio e o transporte urbano fechado e parado. Os outros meios de transportes, terrestre, marítimo ou aéreo, igualmente parados. Os governos de toda a terra, sem saber o que fazer e como fazer, exilados em seus próprios territórios, com as fronteiras fechadas. As ruas das cidades, não importando de que ponto do planeta, estão todas desertas. Um fenômeno sem precedentes.

A situação desencadeou uma verdadeira corrida para a inovação. O que estava previsto para acontecer daqui a dez ou vinte anos, em termos de inovação, aplicativos e venda digital, precipitou-se para agora. São escolas, padarias, restaurantes e mais uma infinidade de atividades, migrando para a tecnologia virtual. Até gente que nunca ouviu falar em negociar por sistema, tem que se reinventar, para acompanhar e até mesmo permanecer no mercado.

É preciso separar essa calamidade e tirar o que verdadeiramente interessa para exponencializar a tecnologia e o mercado digital, como um todo. A hora é de somar forças positivas, de implementar parcerias, porque afinal de contas, juntos, o fardo fica mais leve e pode ser carregado a maiores distâncias. Não tem o chavão que diz que os maiores inventos surgiram em tempos de calamidades? Pois então estamos no terreno certo. Temos a calamidade e com um diferencial a nosso favor: nas situações anteriores, não se tinha a busca da inovação pela tecnologia. Mas também temos o ônus de sermos cobradas a entregar mais e melhor, justamente por podermos contar com essa grade ferramenta aliada, a tecnologia. E, já que fomos nós os escolhidos para a vocação da tecnologia, temos a obrigação de fazer da inquietude a nossa parceira primeira, a fim de entregar o melhor a cada dia, para o bem da humanidade.

Haveremos de escolher a melhor parte dessa calamidade, para sairmos mais fortes e mais preparados do que entramos. A parte da transposição, da passagem e da transformação, que nos farão melhores, mais competitivos e mais competentes. Esse é nosso compromisso. Entendemos que não será fácil e que muitos, que não se esforçarem e não se moldarem para acompanhar as mudanças que serão exigidas, por certo, ficarão pelo caminho. Mas como sem adversário forte, não há mérito na vitória, esperamos fervorosamente, alcançar o podium com honrarias.

A soma e o partilhamento do conhecimento que resultarão em inovação cada vez mais disruptiva, para o bem de todo a humanidade.

Pelo jornalista Jacó Carlos Diel

Qual a tua avaliação deste artigo?

Deixe um comentário