X

Fale Conosco:

Aguarde, enviando contato!
Fácil Alimentos - Blog Fácil Alimentos - Blog

Matéria

Filtrar
Agronegócios
Economia
Empreendedorismo
Logística
Mercado
Produção
Serviços
Tecnologia

As cebolas do Egito

É famosa a passagem bíblica em que o povo judeu, no deserto, não via sentido naquela peregrinação e reclama da saudade das cebolas consumidas no Egito, no tempo da escravidão.

Publicado em
  • Compartilhe:

Segundo a narrativa da Bíblia, a tentação de manter-se na zona de conforto parece estar mais forte do que o desejo de liberdade, na passagem bíblica em que o povo judeu, no meio do deserto, cansado das agruras daquele êxodo, não via sentido naquela peregrinação na direção de uma “terra prometida” que não chegava nunca, cansado de comer o maná caído do céu, tem saudade das cebolas consumidas no Egito, no tempo da escravidão.

Em Êxodo 16, vemos uma das murmurações do povo contra Moisés e Aarão: "Quem dera tivéssemos morrido por mão do Senhor na terra do Egito, quando estávamos sentados junto às panelas de carne, quando comíamos pão até fartar! Porque nos tendes trazido a este deserto, para matardes de fome a toda esta multidão."

Em Números 11, o povo faminto dizia-se saudoso do Egito, onde podia desfrutar a degustação das cebolas, melões e pepinos daquele país

O protesto que se conta em Êxodo 16 fez com que o Deus mandasse o Maná, comida cotidiana dos hebreus. Mas em Números 11, o povo já estava cansado de comer sempre o maná e se lamenta, tem saudades da comida que tinha no Egito, mesmo sendo escravo!

Quem se lamenta são os próprios hebreus, os seguidores de Deus que saíram do Egito. E foi deste contexto, que ficou a célebre frase: "chorar as cebolas do Egito".

Historicamente, sabemos como era dura a vida do povo hebreu no Egito. As autoridades locais temiam que crescessem demais, com riscos para o império, eles foram perseguidos e reduzidos à condição de escravos e faziam os trabalhos mais pesados. O faraó, para explorar sua mão-de-obra, dava-lhe comida, mas retirava a liberdade. Deus viu a aflição de seu povo e enviou Moisés para libertá-los e conduzi-los à terra prometida, mas deviam atravessar um deserto inóspito.  

Deus oferece ao povo a libertação, mas ela tem o seu preço. O deserto é necessário para que o povo faça uma experiência profunda de fé e conheça Deus. 

Mas esse processo é lento e a tendência é ter saudade do tempo da escravidão, pois o esforço não dá resultados imediatos. A caminhada lenta de 40 anos no deserto, tendo somente o maná como alimento, é fundamental para a vida do povo hebreu e futuramente para a nossa. 

Na longa travessia do deserto, tinham liberdade, mas faltava pão e água. Em todos os lugares e em todos os tempos, a história se repete. Virtude e pecado são valores irreconciliáveis, incapazes de se harmonizar.

De lá para cá, a ideia da saudade das cebolas do Egito configura aquele imediatismo de quem não tem paciência de esperar a elaboração de um projeto, e que logo se exaspera quando as coisas não ocorrem com aquela tempestividade esperada.

A lição da lamentação das cebolas do Egito é a perseverança. Ir em frente, ser solidário, não desistir, não perder o foco de nossa vida espiritual. 

É bom esta reflexão sobre o assunto, pois a falta de perseverança é um dos maiores problemas que afligem a espiritualidade das pessoas.

No relato, o povo, por causa de umas míseras cebolas, estava disposto a voltar ao cativeiro, perdendo sua liberdade. Eles dizem querer voltar para o Egito, onde haviam cebolas; não suportam o desafio constante, sempre iminente, sempre exigente, do deserto. Somos muitas vezes covardes, temos medo do futuro.

Sentimos saudades das cebolas quando perdemos a fé ou relaxamos na esperança de um futuro mais digno e nos deixamos ficar, caídos no chão, tombados no meio da caminhada.

As cebolas do Egito podem parecer boas, mas depois deixam na boca aquele gosto amargo das grandes decepções.

Que lição podemos tirar das imagens das “cebolas do Egito” e da caminhada à “terra prometida”? É preciso entender onde está o projeto de Deus. Mesmo que as aparências ou as primeiras sensações não sejam tão coloridas, é aí que se encontrará a verdadeira felicidade.

 

 

 

REFERÊNCIAS:

As cebolas do Egito. Disponível em: https://www.gazetadopovo.com.br/opiniao/colunistas/francisco-borba/as-cebolas-do-egito-b6l11x8p9koh19y2pbedx09hu/

Uma janela sobre o mundo bíblico. Disponível em: https://www.abiblia.org/ver.php?id=9551

 

As cebolas do Egito. Disponível em: https://www.recantodasletras.com.br/artigos/1336974


Por Thaíse Pires
Por Thaíse Pires

04 Fev 22 • 7 min


Qual a tua avaliação deste artigo?

Leia também