CAJU: desta árvore se aproveita tudo!

Mas o principal é a castanha, na qual Norte-americanos e canadenses são grandes compradores!

Publicado em
CAJU: desta árvore se aproveita tudo!

   O agronegócio do caju movimenta US$ 2,4 bilhões ao ano, segundo dados da Embrapa. Somando-se esse dado aos 50 mil empregos diretos e 250 mil indiretos que a produção gera, é possível confirmar a força da cultura cajueira nos estados mais áridos do Brasil.

   O cajueiro (Anacardium occidentale) é uma planta nativa do nordeste Brasileiro que se adapta a solos de baixa fertilidade, a temperaturas elevadas e ao estresse hídrico. Devido a essas características, se tornou uma importante fonte de renda para os estados do Nordeste, principalmente para aqueles que possuem regiões semiáridas.

  O cajueiro é uma das árvores mais valentes do cerrado. Graças a suas raízes profundas, que cavam até encontrar uma fonte de água, aguenta firme e forte períodos de estiagem. Em locais de o clima árido, seu plantio costuma ser feito no começo da estação chuvosa, mas, no resto do Brasil, pode ser plantado o ano todo.

   O Nordeste responde pelo maior volume de produção do fruto no país, principalmente nos estados do Ceará, Piauí, Rio Grande do Norte e Bahia.

   A castanha, comumente confundida com o "cabo" do caju, é de fato o fruto verdadeiro que gera a amêndoa. Alimento rico em proteína, lipídios, gordura insaturada, fibras e vários nutrientes, é consumido torrado e tem como principal destino as exportações. Norte-americanos e canadenses são grandes compradores do produto nacional.

  Do cajueiro aproveita-se praticamente tudo. O principal produto é a amêndoa da castanha-de-caju, localizada no interior da castanha, de onde também é extraída a película que reveste a amêndoa, rica em tanino e utilizada na indústria química de tintas e vernizes. Da casca da castanha, extrai-se o líquido da casca de castanha-de-caju, usado na indústria química e de lubrificantes, curtidores, aditivos, entre outros, sendo o resíduo da casca utilizado como fonte de energia nas indústrias, por meio de sua queima em fornalhas.

   Já o fruto (pedúnculo do caju) é processado por indústrias ou minifábricas para a obtenção do suco ou da polpa congelada, a ser utilizada na fabricação de sucos, cajuínas e outras bebidas. Também pode ser aproveitado para a fabricação de diversos produtos (principalmente doces), comercializado in natura em feiras e supermercados e também é usado na alimentação animal. Outras partes da planta também são utilizadas, pois os restolhos dos galhos podados, as cascas das árvores e as folhas, por serem fontes de tanino e goma, são aproveitadas na indústria química e na geração de energia (queima).

REFERÊNCIAS:
Como plantar caju. Disponível em: https://revistagloborural.globo.com/vida-na-fazenda/
CAJU. Disponível em: https://minhasplantas.com.br/plantas/caju/
Sistema de Produção do Caju. Disponível em: https://www.spo.cnptia.embrapa.br/


Deixe um comentário