Inhame, cará ou taro?

É comum confundir estas raízes, mas há muitas diferenças entre elas!

Publicado em

   Aqui no Brasil estas raízes são conhecidas popularmente por inhame, palavra que se originou das línguas africanas e quer dizer “comer, sabor, o que se pode comer” enfim, por isso que na cultura afrobrasileira as batatas, tubérculos e cormos são conhecidos com o nome genérico de inhame.

    O taro (Norte e nordeste é taro, restante do País, inhame é o nome do vegetal conhecido internacionalmente como taro, que também é chamado de inhame-coco ou inhame dos Açores) Colocasia esculenta, planta da família das aráceas, originária da Índia e da Malásia, é um tubérculo nutritivo muito popular e amplamente consumido no mundo. Cultivado desde 50.000 a.C., na África e na Ásia, hoje é um alimento básico em muitos países da América do Sul, África, nas ilhas do Pacífico e nas Índias Ocidentais. No Brasil, a região Nordeste é a maior produtora e consumidora. 

    Com o nome de cará, originário da língua tupi-guarani (raiz bojuda, marrom, de polpa branca e granulada, do gênero Dioscorea, é chamado de inhame no Norte e Nordeste do Brasil), cultivam-se no Brasil diferentes plantas da família das Dioscoreáceas. Portugueses e espanhóis já encontraram os índios cultivando essas plantas quando chegaram à América. Alimento das mesas brasileiras mais pobres, por sua fartura de amido, é um alimento altamente energético, saboroso, utilizável de várias formas, digestivo e que pode ser combinado com quase todos os outros alimentos.

    Os dois tubérculos, apesar de parecidos, possuem substâncias variadas entre si. Por conta da similaridade, é comum encontrar quem fale em cará e inhame como se fossem o mesmo alimento, dá para entender, afinal o inhame pertence à família Dioscoreácea, que tem nove gêneros e cerca de mil espécies, e o cará é uma delas. Ambos fazem parte da mesma família. Mas é importante destacar que eles têm diferenças bem relevantes, tanto na aparência quanto em termos nutritivos. Os dois tubérculos fornecem bastante energia por serem ricos em carboidratos.

    É importante se ater às diferenças que eles têm: o cará costuma ser mais comprido, fino e possui menos pelinhos em volta. Já o inhame possui um formato mais arredondado e uma quantidade maior de pelinhos. Fora esse fator, essas raízes também podem variar em termos de cor: existem inhames e carás com polpa roxa, amarela, branca ou até mesmo rosada. As raízes de coloração roxa, em especial, contam com o pigmento antocianina, que é um tipo importante de antioxidante, além de atuar como anti-inflamatório natural.

    Alimentos como o cará, a mandioca e o inhame - que são raízes - não devem ser ingeridos crus porque apresentam substâncias tóxicas. Para isso, cozinhe-o e adicione em saladas ou sucos, em sopas, patês, pães, bolos e tortas, frito, assado, ou em pirão feito com a sua farinha, acompanhando verduras ou sozinho.

 

REFERÊNCIAS:
Cará ou inhame? Entenda suas diferenças e benefícios. Disponível em: https://www.conquistesuavida.com.br/noticia/cara-ou-inhame-entenda-suas-diferencas-e-beneficios_a10115/1
Descubra a diferença entre cará e inhame. Disponível em: https://saude.abril.com.br/alimentacao/descubra-a-diferenca-entre-cara-e-inhame/
Cará. Disponível em: http://www.hortifruti.com.br/produtos/legumes/cara/
Cará . Disponível em: https://www.hortamercurio.com.br/planta/184-cara

Qual a tua avaliação deste artigo?

Deixe um comentário