Olha o milho verde!!!

Da beira da praia ao aconchego do lar, o milho verde sempre cai bem!

Publicado em

   O milho (Zea mays L.) é utilizado na alimentação humana na forma de grãos secos ou verdes. O milho verde é o milho consumido simplesmente cozido ou assado, sendo também utilizado pela indústria de milho em conserva e para a produção de pamonha, curau, suco e também como ingrediente na fabricação de bolos, biscoitos, sorvetes e de outros alimentos.

   Quando comparado ao milho grão, o milho verde possui um maior teor de açúcares e menor teor de amido, por ser colhido mais cedo. Entretanto, após a colheita, os açúcares do milho verde continuam a ser gradualmente transformados em amido, tornando-os duros, amargos e farináceos, gerando a perda do produto. As variedades de milho verde disponíveis no Brasil ainda não possuem boas características nesse sentido, com baixo teor de açúcares e rápida conversão em amido, diferente das variedades norte-americanas e européias, que são notadamente doces.

   O milho verde pode ser considerado uma hortaliça, em virtude do tempo de sua permanência no campo até o momento da colheita, que é de aproximadamente 90 dias no verão e de 100 dias no inverno. Por isso, o local de produção deve estar situado o mais próximo possível dos centros consumidores. A cultura tornou-se uma opção de grande valor econômico, principalmente para os produtores que utilizam mão de obra familiar, graças ao bom preço de mercado, à significativa demanda pelo produto in natura e pela crescente procura pelo produto por parte da indústria de conservas alimentícias.

   Em sistemas não-irrigados, a produtividade esperada com o plantio na época mais propícia (de outubro a dezembro) é de 400 a 500 sacos de 25 kg por hectare.  Já em plantios de janeiro a março (safrinha), espera-se se de 250 a 350 sacos por hectare, ou seja, cerca de 1/3 a menos que na safra. Apesar da menor produtividade da safrinha, esta produção é geralmente vendida por melhores preços. O pico de produção em São Paulo ocorre de janeiro a abril, mas o pico de consumo se dá de maio a junho, devido principalmente às festas juninas, gerando o aumento dos preços. Entretanto, devemos também considerar que no inverno existe mais risco de secas e geadas.

O mercado de milho verde é tão promissor e lucrativo que as empresas de sementes entraram no negócio lançando algumas cultivares específicas.

   A planta de milho pode ser aproveitada praticamente em sua totalidade. Após a comercialização das espigas, os restos da planta podem ser aproveitados para posterior incorporação ou como cobertura do solo para plantio direto, ou ainda, sendo triturado para compor a silagem para a alimentação animal.  

Referências:
Cultivo do milho verde. Disponível em: http://www.agric.com.br
Milho verde. Disponível em: http://www.agencia.cnptia.embrapa.br/
A cultura do milho verde. Disponível em: http://www.infobibos.com/
Safra catarinense de milho chega a 2,8 milhões de toneladas. Disponível em: https://www.noticiasagricolas.com.br


Deixe um comentário