X

Fale Conosco:

Aguarde, enviando contato!

Matéria

Riqueza da amora-do-mato

Amora branca, preta, vermelha ou silvestre (amora-do-mato)? Os benefícios vão desde uso para cerca, sombreamento, alimento para criação do bicho-da-seda e gado, passando por doces, licores, vinhos, geleias e sorvetes, até os melhores resultados na medicina popular

Publicado em
  • Compartilhe:

São muitas as espécies e variedades de amoras, como dá para ver aqui:

Amora branca:

Maclura tinctoria, Moraceae, árvore dioica, nativa do Brasil, também chamada taiúva.

 

Morus alba, Moraceae, árvore mono ou dioica, nativa da China.

 

Rubus erythrocladus, Rosaceae, arbusto, nativa do Brasil. Também chamada amora-verde e amora-do-mato.

 

Amora preta: Morus nigra, Moraceae, árvore geralmente dioica, nativa da China e Japão.

Rubus sellowii, Rosaceae, arbusto, nativa do Brasil. Também chamada amora-do-mato ou capinuriba preta.

 

Rubus ulmifolius, Rosaceae, arbusto, nativa da Europa e América do Norte. Também chamada amora-silvestre.

 

Amora-vermelha:

Rubus rosifolius, Rosaceae, amora-vermelha ou morango silvestre é um arbusto ou sub-arbusto nativo da Ásia e considerado uma espécie invasora no Brasil.

 

Amora Silvestre

A amora-silvestre (Rubus fruticosus L. - esse o nome científico), é encontrada nas pastagens, na capoeira e nas beiras do mato (daí o nome, amora-do-mato), com espinhos aguçados que maltratam quem as tocar inadvertidamente; é de uma grande riqueza para a saúde humana e quase desconhecida.

 

A amora silvestre, é fruto de uma trepadeira espinhosa, (Rubus, e outras várias espécies). Ideal para fazer doces, licores, vinhos, geleias e sorvetes, além de bom para consumo in natura. Os benefícios e as riquezas não estão só nos frutos mas também, nas suas folhas e raízes, utilizadas para fazer chás, ricos em vitamina C. As demais espécies, além de produzir frutos, entregam sobre, possibilidade de cerca, alimento para o bicho-da-seda e alimenta outros animais, como bovinos.

 

Propriedades Medicinais

As flores da amoreira silvestre assim como os frutos imaturos e maduros podem surgir na trepadeira em simultâneo. Uma espécie de amoreira silvestre foi em determinada altura conhecida como a baga-da-gota, indicação de um dos seus usos medicinais.

 

O fruto pode ser mais saboroso, mas as folhas da amoreira silvestre, a casca, e as raízes contêm maior potencial curativo. Os taninos adstringentes na planta contraem os vasos sanguíneos.

 

Propriedades e Indicações Terapêuticas:

Vitaminas: A, B1, B2, C, E; Rica em fibras; Ácido fólico; Cálcio, Ferro, Fósforo, Potássio, Magnésio, Zinco, Cobre, Manganésio, etc.; Baixo valor calórico; Antioxidantes, neutralizam a ação dos radicais livres; Antibacteriano – inibe proliferação de fungos; Revitalizantes – pele; Diuréticas Amoreira Silvestre; Diarreia; Digestão; Infecções; Arteriosclerose; Osteoporose – possui 22 vezes mais cálcio que o leite; Visão – melhoram e previnem a degeneração da vista; Circulação sanguínea – fortificam o sangue; Sistema nervoso; Dores de cabeça; Colesterol – ajudam a reduzir altos teores de colesterol no sangue; Aumentam as defesas contra o frio; Ajudam a regular o trânsito intestinal; Ajudam a reduzir o aparecimento de doenças degenerativas; Obesidade – ajuda a inibir a acumulação de gordura no organismo; Diabetes; Hipertensão – ajuda a normalizar; Menopausa – ajuda na regulação das hormonas; Calvice – revitaliza a circulação no couro cabeludo e ajuda a inibir a queda de cabelo; Problemas renais; Problemas de fígado.

 

 

Pelo jornalista Jacó Carlos Diel

 

 

Fontes:

 

https://olharpovoacense.blogspot.com/2015/05/sabia-que-as-nossas-amoras-silvestres.html

 

https://www.jardimexotico.com.br/amora-do-ebano?gclid=CjwKCAjw8df2BRA3EiwAvfZWaH3zbpZtHgDoNKiWe0m3MdXmOUNxn9xkgYZRK5RAYK2rDEHkA5H8vBoCnd0QAvD_BwE

 

https://www.google.com/search?q=amora+do+%C3%A9bano&oq=amora&aqs=chrome.0.69i59j46l3j0j69i60l3.2227j0j7&sourceid=chrome&ie=UTF-8

 

https://www.medicinanatural.com.br/amora-silvestre-rubus-fructicosus/


Por Jacó Carlos Diel
Por Jacó Carlos Diel

02 Jun 20 • 5 min


Qual a tua avaliação deste artigo?